2018/04/22

TEMPLO DO AMOR

Ilustração de SVETLANA VALUEVA


TEMPLO DO AMOR


Faço do meu peito
Um velho templo tibetano
Onde eu com preceito
Saboreio o silêncio humano
Gosto de ouvir apenas
O ténue ruído das aranhas
Tecendo o esboço dos poemas
Que saem das minhas entranhas
Quero sentir-me monge!
Beijar as aves no céu
Que voam alto e longe
Preciso do perfume da flor
Nascida no cume da montanha
Onde voa o nobre condor
E tu exibes uma dança estranha
Com o teu charme sedutor
Que faz abrir o meu peito
Como um templo do amor
Quero sentir-me monge!
Beijar as aves no céu
Que voam alto e longe
Do meu ser pecador de réu
Que escreve com fervor
Este poema como troféu
Neste dia de cinzenta cor
Onde o azul fugiu do céu
Para a tela de um pintor
Quero sentir-me monge!
Beijar as aves no céu
Que voam alto e longe
Do mundo cruel e estranho
Quero sentir-me monge!
Num templo tibetano
Para apreciar a beleza
Do teu interior humano
Preciso da leveza
Do voo sagrado do condor 
E da fina delicadeza
Dos beijos de doce sabor
Que saboreio em silêncio
No templo do amor.

Joaquim Jorge de Oliveira

2017/12/30

FLOR DE LÓTUS




FLOR DE LÓTUS 


Ah, genuína beleza, a silhueta,
Alma perene duma fonte santa
Qu'embala o sonho p'lo coração,
A eleita, misterioso seu botão!

Olhar-te, minha flor de manhã anil,
Adormecer p'lo teu frescor amante,
E adivinhar o teu corpo macio
É sonho que todo ser tem p'la mente.

E, eu sonho p'lo mistério ante pétalas,
Duma grã-natureza, quem criou
Tão doces olhos e me acordou,

Q'outro dia cândido assim olhou!
Era a visão dum universo, que me sou,
Que gravou Flor de Lótus p'las memórias.

© Ró Mar

2017/11/12

A LUZ DE TEU OLHAR


Imagem - Art of God and Nature 


A LUZ DE TEU OLHAR


A luz de teu olhar, deixa-me perplexa numa mesura infinita, em que me deleito e descanso, num silêncio profundo. À margem das tuas reais pestanas leio a suavidade do dia, e assim surge a emblemática paisagem pela minha alma, repleta de vida.
Vida que espreguiço pelo teu olhar, a madressilva, e levo comigo a melhor das poesias para cantar pelos beirais de outros dias. 

Minha amada, amante, paixão que me seduz e embala pelo solstício de um amor de cor una a todas as eras.


À noite o dia transborda, pela tua quimera, e meu corpo sente a alquimia que abraça o universo e dá espaço para muitos outros versos, onde a humanidade é senhora de coração azul, tal e qual a luz que tu irradias, e a vida é céu aberto, tal as tuas nobres 'meninas'. 

Cantarei, cantarei a tua mocidade aos quatro cantos do mundo e jamais me cansarei! 

Se te perder de vista sei que vou conseguir continuar o caminho, pois, é tão intenso o meu desejo que não há nada que o faça desfalecer a não ser certo dia que apossará minhas pestanas! Esse, é parte natural a que pertenço e ninguém, nem mesmo tu me podes livrar. Mas, sei que parto feliz, pois, tive o privilégio de prosear contigo e isso ninguém me poderá tirar e levarei comigo para a vida plena, onde tu serás parte de meu olhar pelo mar sereno, décadas de uma perene paixão.

© Ró Mar

2017/11/06

... QUANDO ACORDAVAS EM MIM


Imagem - Art of God and Nature 


... QUANDO ACORDAVAS EM MIM


Ah, queria ter-te aqui bem junto a mim,
Rente ao coração, que é parte de ti!
Sentir aquele abraço, sem mais fim,
Que davas quando eu olhava para ti.

Ah, queria ser o luar em noite de verão,
Beijar o azul do céu e rete-lo em mim!
Sentir aquele aroma de jasmim
Que libertava quando te tocava ao coração.

Ah, queria ser a lua em quarto crescente!
Sentir aquele ondeado de constelações em mim
Que guiava quando vibrava o mais que presente.

Ah, queria ter-te aqui bem junto a mim!
Sentir aquele dia sereno e estuporante
Que pestanejava quando acordavas em mim.

© Ró Mar